BLOG

Marketing Digital
05 de junho de 2018

Mídia Programática

Há alguns anos a compra de espaços publicitários e mídia online era um processo árduo. Os anunciantes precisavam entrar em contato com vários veículos para negociar suas campanhas. Aí surgiu a modalidade de compra programática que – de forma objetiva – é a mídia online comprada por softwares.

Ou seja, o processo que antes era feito manualmente agora é feito programaticamente.

A mídia é a mesma, o que mudou foi a forma de comprar. Assim, o direcionamento da mensagem para o seu público-alvo se torna mais eficiente e com maiores possibilidades de segmentação.

Segundo a Magna Global, o investimento no Brasil para essa modalidade de compra de mídia deve chegar aos US$ 55,8 milhões em 2018.

A compra de mídia digital foi revolucionada com a introdução de compra da audiência ao invés de contexto ou site específico. Apesar da mídia programática ser uma ferramenta recente, principalmente no Brasil, ela já é uma realidade e deve estar cada vez mais presente nos planejamentos de mídia dos anunciantes.

Onde estão os cookies é o que importa!

As peças criativas nem sempre precisam ser óbvias e repetitivas, muito menos perseguir o pobre do usuário. Basta usar a informação das jornadas de compra, conhecer os hábitos, usar pixels e ter acesso aos cookies.

Sempre que uma pessoa acessa uma página na web, milhões de dados sobre o seu comportamento durante a navegação são monitorados, a localidade, o tempo em que ficou em determinada página, cliques, pesquisas, buscas realizadas, sites visitados, os cliques, o tipo de conexão, o dispositivo, o horário. Todos esses dados são armazenados por meio de arquivos chamados cookies. Ao longo da navegação, forma-se um histórico do comportamento do usuário.

Com todas essas informações sobre os usuários, empresas especializadas criam clusters completos com diferentes características, como faixa etária, interesses, gênero, intenções de compras, escolaridade.

Em síntese, a compra de mídia de forma programática é uma estratégia que faz com que os anúncios publicitários alcancem as pessoas certas e no momento correto. É um processo totalmente automatizado, pois escolherá sempre o melhor local para atingir o público-alvo.

Podemos pensar na mídia programática como a soma da Rede de Display do inventário disponível na internet, com toda sua abrangência, aliadas a segmentação detalhada oferecido, por exemplo, pelo Facebook.

E vem mais por ai…

O modelo de mídia programática tem potencial de expansão para outras mídias, além do digital. Pelo menos três segmentos já desenvolvem ou analisam projetos de compra de mídia programática nos Estados Unidos: out-of-home, rádio e televisão.

Todas as grandes empresas de mídia americanas já estudam a compra programática como uma opção viável para o futuro.

O tema é gigantesco: então dá uma olhada no nosso material nesse link e comece a entender melhor como a mídia e os criativos serão entregues cada vez de forma mais personalizada.

Sendo assim, refaça a sua estratégia para as próximas ações e campanhas. Você terá resultados melhores. E não precisa fazer mais do mesmo!

SOBRE O AUTOR

Jéssica

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *